«« Voltar
A AFRODESCENDÊNCIA PERCEBIDA POR ESTUDANTES DAS SÉRIES FINAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: O imaginário social de estudantes.
Protocolo do SIGProj:   323466.1817.304299.18022019
De:18/02/2019  à  23/02/2019
 
Coordenador-Extensionista
  Michele Doris Castro
Instituição
  IFRS - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul
Unidade Geral
  Veranópolis - Câmpus Veranópolis - Pesquisa
Unidade de Origem
  P & I - Pesquisa e Inovação
Resumo da Ação de Extensão
  A percepção de uma possível afrodescendência genuína no contexto brasileiro surge a partir da percepção da existência de uma origem étnica e cultural africana. Não só a História do Brasil se confundiria com a História Africana, seríamos parentes irmãos, genética ou culturalmente da irmã África. Como dito por Sílvio Romero (1888), “somos todos mestiços, senão no sangue, na alma”. Nesse sentido, se desenrolou no Brasil a discussão da construção de um conceito próprio para reaproximar a História e a cultura do País ao circuito cultural africano: a afrodescendência surge para elevar esta herança por um lado, e por outro, construção de um ethos brasileiro. Este, que tendia a ignorar a peculiaridade e o papel de negros e indígenas na construção do nacional. Enquanto elevamos a figura do colonizador europeu branco, renegávamos a negros e indígenas um papel secundário. A afrodescendência colocaria de volta a História do Brasil no patamar da ressignificação e reconstrução histórica agora com vistas a demonstrar a importância negra na construção do projeto de nação e povo brasileiro. Os estudantes demonstraram sua percepção enquanto ser o não ser afrodescendente, reconhecimento ou negação do conceito, delimitação dos elementos do ser e não ser negro, identificação social e reconhecimento ou prática do racismo social.
Palavras-chave
   Afrodescendência, percepção, ressignificação
Público-Alvo
  
Situação
  Atividade COM RELATORIO FINAL
Contato
  
«« Voltar