«« Voltar
Rodas de Filosofia e Transculturalismo
Protocolo do SIGProj:   305277.1680.309544.15052018
De:03/08/2018  à  06/12/2020
 
Coordenador-Extensionista
  Rafael Haddock Lobo
Instituição
  UFRJ - Universidade Federal do Rio de Janeiro
Unidade Geral
  CFCH - Centro de Filosofia e Ciências Humanas
Unidade de Origem
  IFCS - Instituto de Filosofia e Ciências Sociais
Resumo da Ação de Extensão
  O projeto RODAS DE FILOSOFIA E TRANSCULTURALISMO compõe-se de Seminários e Rodas de Conversa destinadas aos educadores da rede básica com vistas à aplicação das Leis 10.639/2003 e 11.645/2008 que tratam da obrigatoriedade do ensino da História e Cultura Africana e Afro-brasileira. Considerando, segundo Noguera (2014), que “no meio filosófico... continua havendo... poucos debates a respeito das relações étnico-raciais, do racismo antinegro e dos desdobramentos das relações entre colonização política e a invisibilidade remitente conferida à filosofia africana”, propomos a imersão em conhecimentos que, apesar de previstos em lei, ainda não estão disponíveis nas licenciaturas e que têm dificuldades de inserção no enquadramento disciplinar universitário. Os debates serão propostos sob um enfoque não submisso às máximas ocidentais, tendo no conceito de 'descolonização do pensamento', de Franz Fanon, um caminho para o combate ao 'racismo epistêmico' e ao 'epistemicídio' ('assassinato' das maneiras de conhecer e agir dos povos africanos) e na 'Dialogia Semiótica', de Muniz Sodré, uma metodologia prática de comunicação transcultural que propiciará o encontro de diversas culturas através de signos e sentidos análogos em prol de um olhar que ressaltará a diversidade do acervo cognitivo e a legitimidade filosófica africana. Nos encontros mensais, a filosofia e a riqueza cultural africana e afro-brasileira serão vivenciadas, compartilhadas e problematizadas em seus múltiplos aspectos, num repertório que incluirá, entre outros, gastronomia, indumentárias, artes integradas e literatura. Acreditamos, assim, que os valores de sabedoria e do bem viver de tradições ancestrais africanas poderão contribuir para uma prática educativa mais qualificada e bela.
Palavras-chave
   Transculturalismo, afrocentricidade, comunicação transcultural, quilombismo, cultura afrobrasileira
Público-Alvo
  Profissionais da educação básica de ensino, com prioridade aos que atuam na Região da Baixada Fluminense; membros da sociedade civil, participantes dos movimentos sociais, de grupos comunitários, universitários e quaisquer outros que possuam contato com iniciativas educativas.
Situação
  Atividade EM ANDAMENTO
Contato
   cultura@guapimirim.rj.gov.br
«« Voltar