«« Voltar
XV Semana do Cravo
Protocolo do SIGProj:   303699.1680.159653.13052018
De:01/08/2018  à  01/11/2018
 
Coordenador-Extensionista
  Marcelo Moraes Rego Fagerlande
Instituição
  UFRJ - Universidade Federal do Rio de Janeiro
Unidade Geral
  CLA - Centro de Letras e Artes
Unidade de Origem
  EM - Escola de Música
Resumo da Ação de Extensão
  Único evento do gênero no país, a Semana do Cravo da UFRJ foi criada pelo Prof. Marcelo Fagerlande em 2004 e, desde então, vem sendo realizada anual e ininterruptamente. Tem reunido docentes e discentes de cravo das diversas instituições brasileiras que contemplam o ensino do instrumento. Em 2018 será comemorado o décimo quinto ano de sua realização. A característica principal da Semana é a de promover o debate acadêmico sobre diversos aspectos em torno do cravo, através das mais recentes pesquisas envolvendo o instrumento. O foco principal está na investigação e resgate de sua História, principalmente no Brasil, e ainda nos aspectos da didática do instrumento. Nesta edição de 2018 teremos mesas-redondas com os temas: “Quinze anos da Semana do Cravo: retrospectiva e futuro”, “O cravo brasileiro no século XX e XXI e suas vertentes na música de concerto e na música popular”, “ 350 anos de nascimento de François Couperin ” e “J. S. Bach, o cravo, o piano e o órgão”. Paralelamente à realização destes debates, a Semana do Cravo também oferece recitais com alunos de cravo das instituições participantes, como a Escola de Música de Brasília, a UNICAMP, a Escola Municipal de Música de São Paulo, a Universidade Federal de Pernambuco e a Escola de Música da UFRJ. Participam discentes de diversos níveis, desde cursos profissionalizantes, passando pelo bacharelado, pelo mestrado até chegar ao nível de doutorado.
Palavras-chave
   Cravo, didática do cravo, cravo no Brasil
Público-Alvo
  O público do evento geralmente é composto pelo corpo discente e docente da EM/UFRJ, bem como pelos participantes das outras instituições brasileiras - como a Escola de Música de Brasília (CEP-EMB), a UNICAMP, a UFPE, a UFJF e o Conservatório de Tatuí, SP - além do público em geral. Tanto as mesas-redondas quanto os recitais tem entrada franca, e atraem um público interessado no instrumento, ainda pouco divulgado em nosso país.
Situação
  Atividade CONCLUÍDA
Contato
   fagerlande@gmail.com
«« Voltar