«« Voltar
Comunidade de Conceição do Imbé: Oficina de fotografia em preto e branco
Protocolo do SIGProj:   227393.1113.249015.15032016
De:31/10/2016  à  29/12/2016
 
Coordenador-Extensionista
  Danieli Machado Bezerra
Instituição
  UFF - Universidade Federal Fluminense
Unidade Geral
  ESR - Instituto de Ciências da Sociedade e Desenv. Regional de Campos
Unidade de Origem
  SFC - Departamento de Fundamentos de Ciência da Sociedade
Resumo da Ação de Extensão
  Este projeto pretende desenvolver ações na comunidade de Conceição do Imbé, Rio de Janeiro. Essa é uma comunidade rural que pertence a Campos dos Goytacazes, municicípio a 280km da capital fluminense. Essa comunidade surgiu em 1985, a partir de desapropriação de terras que pertenciam ao universo canavieiro. Por se tratar de uma comunidade que vivia às expensas do meio produtivo oriundo da cana-de acúcar, sabemos que nesse universo, muitas famílias são remanescentes de quilombolas e lá passaram a habitar a região, demandando o interesse em ter seus direitos afro-descendentes reconhecidos. Diante de muita luta em torno dos interesses de reconhecimento, essa comunidade, passa a ter a certidão de comunidade afro-descendente quilombola em 2005, embora o INCRA (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) não tenha dado o reconhecimento, de maneira definitiva, até hoje. Conceição do Imbé ainda não possui, definitivamente, o reconhecimento de titulação das terras quilombolas e as políticas públicas desenvolvidas nessa comunidade, por causa de vários interesses locais, que vão desde conflitos internos locais, que, segundo Priscila Neves, abrangem questões com a terra, religião e liderança, são prejudicadas. Pretendemos desenvolver, com esse projeto de extensão, ações com a técnica da fotografia de pinhole na comunidade de Conceição do Imbé. A fotografia nos insere no ambiente em que vivemos através de um olhar sobre nós mesmos. A técnica em pinhole consiste em construir câmeras artesanais com latas metálicas que encontramos em supermercados, ou com recipientes onde não haja a entrada de luz.
Palavras-chave
   Fotografia, direitos humanos, comunidade quilombola
Público-Alvo
  O público alvo a ser atingido pelo projeto de extensão, inicialmente, serão os alunos bolsistas e voluntários da atividade extensionista. Depois de apreendida a técnica de fotografia em pin hole, os alunos irão desenvolver atividades de inserção social na comunidade de Conceição do Imbé por meio da exposição à comunidade sobre o que foi apreendido com a técnica da fotografia, formando um segundo público alvo que é a comunidade supracitada.
Situação
  Atividade COM RELATORIO FINAL
Contato
   danielymb@gmail.com
«« Voltar