«« Voltar
MULHER INDÍGENA E LEI MARIA DA PENHA: UMA ANÁLISE DISCURSIVO-DESCONSTRUVISTA PARA COMPREENDER A CONSTITUIÇÃO DA SUBJETIVIDADE FRONTERIZA
Protocolo do SIGProj:   216886.1005.3934.25102015
De:12/02/2015  à  12/06/2018
 
Coordenador-Extensionista
  Willian Diego de Almeida
Instituição
  UFMS - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
Unidade Geral
  CPTL - Câmpus de Três Lagoas
Unidade de Origem
  PPGL - Programa de Pós-Graduação em Letras
Resumo da Ação de Extensão
  Partindo do pressuposto de que na escrita de uma lei os significados se (des)locam na trama das convenções discursivas, temos por objetivo problematizar os possíveis efeitos de sentidos em relação à representação da mulher indígena e a constituição de uma subjetividade fronteriza, tendo como corpus: o texto da Lei Maria da Penha (Lei nº 11.340) em interface com a obra “Pelas Mulheres indígenas”, idealizada pela ONG Thydêwá, parceria com a Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República, publicada no ano de 2015. Partimos da hipótese de que a lei e a obra, ao invés de incluir, reforçam a não proteção contra a violência da mulher indígena e estatizam a construção de uma subjetividade periférica, pautada por relações (pós-)colonialistas e pelo lócus cultural fronteiriço. O trabalho ancora-se na transdisciplinaridade teórica entre: perspectiva discursiva; desconstrução — por meio das balizagens teóricas derrideanas; suporte teórico-metodológico foucaultiano (1995, 2005) — arqueogenealógico; e por outro fio teórico-condutor: o ponto de vista teórico-culturalista de Anzaldúa (2005, 2009), Menchú Tum (2001), Mignolo (2003) e Bhabha (1998), que articulam um deslocamento para a análise de uma epistemologia fronteiriça. Mobilizamos que o texto da lei, como um dispositivo institucional, pode escamotear e divorciar direitos de fatos, estando inevitavelmente afetado pela subjetividade, por construções sucedidas de crenças e valores compartilhados na dimensão cultural que constituem a experiência histórica e coletiva dos sujeitos.
Palavras-chave
   Análise do Discurso, Mulher indígena, Ex/inclusão
Público-Alvo
  
Situação
  Atividade CONCLUÍDA
Contato
  
«« Voltar