«« Voltar
Haemonchus sp. em bovinos de corte no Brasil: composição de espécies e frequência gênica de resistência a benzimidazóis
Protocolo do SIGProj:   211585.1005.237656.24102015
De:28/02/2015  à  30/06/2018
 
Coordenador-Extensionista
  Flávia Carolina Fávero
Instituição
  UFMS - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
Unidade Geral
  FAMEZ - Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia
Unidade de Origem
  PPGCA - Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal
Resumo da Ação de Extensão
  A bovinocultura é uma importante atividade econômica no Brasil, entretanto, o parasitismo por nematódeos gastrintestinais e a resistência a anti-helmínticos são fatores limitantes na produção. Parasitas do gênero Haemonchus encontrados em bovinos são classificados como Haemonchus placei, porém, é comprovado o parasitismo pela espécie de ovinos, Haemonchus contortus. Dentre os anti-helmínticos mais utilizados no controle destes parasitas estão os benzimidazóis, sendo este, motivo de relatos de resistência. O objetivo geral do estudo será determinar a etiologia da haemonchose em bovinos no Brasil e determinar a frequência gênica da resistência a benzimidazóis. Para isso, serão colhidas fezes de bovinos, naturalmente infectados por nematódeos gastrintestinais, em diferentes regiões do Brasil. As larvas infectantes serão extraídas de coproculturas, uma parte será utilizada para identificação dos gêneros e classificação de espécies de Haemonchus. O restante das larvas será utilizado para estudo molecular. Será desenvolvida e padronizada uma metodologia empregando pirosequenciamento para a identificação das espécies H. placei e H. contortus. Os produtos de PCR de cada isolado e cada primer serão clonados, os clones serão submetidos a análise de sequenciamento e aqueles que conterem produtos de PCR completos serão utilizados para o pirosequenciamento. Para cada isolado de campo, será realizada PCR para a amplificação fragmentos de DNA do gene ITS-2, que gera produtos das duas espécies de Haemonchus e posteriormente, será realizado o pirosequenciamento para a quantificação das mutações nos códons 167, 198 e 200 do isotipo 1 do gene β-tubulina. Os produtos da PCR serão analisados em electroforese de gel de agarose 1,5%.
Palavras-chave
   Pirosequenciamento, PCR, Haemonchus contortus, Haemonchus placei, primer
Público-Alvo
  
Situação
  Atividade CONCLUÍDA
Contato
  
«« Voltar