«« Voltar
Práticas clínicas e pensamento psicanalítico: A Psicologia na Defensoria Pública do Estado de Mato Grosso 2ª Edição
Protocolo do SIGProj:   195403.955.15182.03032015
De:01/04/2015  à  16/12/2015
 
Coordenador-Extensionista
  Vera Lucia Blum
Instituição
  UFMT - Universidade Federal de Mato Grosso
Unidade Geral
  IE - Instituto de Educação
Unidade de Origem
  DPSI - Departamento de Psicologia
Resumo da Ação de Extensão
  Mediante convênio realizado entre a UFMT e a Defensoria Pública do Estado de Mato Grosso, acadêmicos do Curso de Psicologia vêm colaborando com os diversos Núcleos e Coordenadorias com a prestação de serviços psicológicos àqueles que procuram ajuda junto à Defensoria Pública. A prestação de serviços vem se realizando junto ao Balcão da Cidadania, dispositivo criado para agilizar o atendimento de causas de menor complexidade na área do Direito de Família. As atividades se voltam para a escuta das demandas psicológicas dos usuários que procuram a Defensoria, no momento da entrevista inicial junto ao estagiário de Direito e/ou Defensores. Essa proposta de atividade parte da constatação de que as pessoas ao procurarem a Defensoria experimentam algum dano no que julgam (acertadamente ou não) serem seus direitos e a ela recorrem a fim de tê-los garantidos. Por trás desse pedido encontram-se conflitos de interesses, os quais, por sua vez sinalizam certo enfraquecimento emocional de quem pede ajuda ao Estado. O atendimento psicológico tem por objetivo acolher pedidos que não se restringem necessária e exclusivamente à possibilidade de ajuizamento de ações. Espera-se que, ao ser subjetivada, a situação de opressão em que o indivíduo se encontra venha a se transformar e este possa alcançar para sua vida soluções alternativas ao processo judicial. A especificidade da escuta clínica da Psicologia tem sido reconhecida e demandada também pelos operadores do direito, que solicitam acompanhamento para os acordos que consideram permeados por questões quais extrapolam o campo supostamente objetivo do Direito.
Palavras-chave
   Atendimento psicológico, Defensoria Pública, Psicanálise, Conflitos familiares
Público-Alvo
  Pessoas definidas juridicamente como hipossuficientes, que procuram assistência na Defensoria Pública na área da Família e Sucessões. Apenados e seus familiares que procuram o Núcleo de Execuções Penais. Grupos vulneráveis e vítimas de violações aos Direitos Humanos que procuram a Defensoria Pública.
Situação
  Atividade COM RELATORIO FINAL
Contato
   verablum@terra.com.br
«« Voltar