«« Voltar
AgroEcologia ancestral amazônica: Território e soberania alimentar.
Protocolo do SIGProj:   169314.781.200800.11022014
De:31/03/2014  à  30/12/2014
 
Coordenador-Extensionista
  Alexandre José Firme - Vieira
Instituição
  UFF - Universidade Federal Fluminense
Unidade Geral
  EGG - Instituto de Geociências
Unidade de Origem
  GCB - Coordenação do Curso de Graduação em Ciência Ambiental
Resumo da Ação de Extensão
  O trabalho tem como objetivo principal desenvolver ações de extensão rural Agroecológica em comunidades quilombolas, situadas às margens do rio Trombetas, no município de Oriximiná - PA, através de práticas que fortaleçam a cultura e a soberania alimentar destes povos, dando condições para que as próprias bases comunitárias promovam sua gestão com autonomia, (re)afirmando seus direitos ao território e construindo perspectivas materiais de desenvolvimento rural. O mapeamento das práticas de produção alimentar e das condições nutricionais das famílias quilombolas se iniciou em 2009, pelo Programa Geografia da Produção Alimentar na Amazônia Oriental, possibilitando um levantamento de problemáticas relacionadas ao histórico de enfermidades destes povos e das condições socioeconômicas da agricultura familiar associadas ao uso do solo, a condição geográfica e ao modo de vida tradicional. Nos anos seguintes, foram implantadas novas unidades agrícolas experimentais, incentivando uma produção agrícola diversificada, ecologicamente sustentável e capaz de garantir segurança alimentar e viabilidade econômica. Com os Sistemas Agrofloretais (SAFs) implantados nestas unidades houve o enriquecimento das roças, com articulação entre os agricultores das comunidades, que vem se tornando veículo de promoção da sustentabilidade destas populações. Este ano, os dados serão atualizados, com foco na memória biocultural dessas comunidades ancestrais; ampliar as variedades oferecidas nos SAFs de forma a promover o enriquecimento do sistema, com segurança alimentar e nutricional; fortalecer a rede de agricultores; oferecer oficinas de capacitação para coletores e viveiristas, para aproximar jovens e mulheres na construção de hortas e viveiros comunitários; produzir materiais de divulgação acadêmica dos resultados.
Palavras-chave
   Agroecologia, Território Ancestral, Manejo da Biodiversidade, Soberania Alimentar, Sistemas Agroflorestais.
Público-Alvo
  O projeto irá trabalhar com agricultores, famílias e comunidades tradicionais que já são pareceiros desde 2010. Além disso serão incorporados novos comunitários que demonstrarem interesse em participar das ações. Trabalharemos com duas categorias de Comunidades Tradicionais: Os agricultores e as famílias Quilombolas das comunidades de: Cachoeira Porteira, Abuí, Paraná do Abuí, Tapaje e Mãe Cué, do Rio Trombetas. E com os agricultores e famílias da etnia índigena Wai Wai da aldeia Taunã, do Rio Mapuera.
Situação
  Atividade EM ANDAMENTO
Contato
  
«« Voltar